TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES


 

Vantagens da transferência de embriões (TE):
 

  •     Mais de um potro da mesma égua por ano;
  •     Conseguir potros de éguas que estão em campanha ou em competições;
  •     Obter produtos de éguas idosas ou com problemas de parição e/ou gestação;
  •     Ter potros de éguas valiosas sem que estas corram risco;
  •     Antecipar o ingresso de fêmeas jovens na reprodução;
  •     Opção de comprar ou vender embriões da égua e do garanhão de sua escolha;
  •     Avaliação da progênie materna em um curto espaço de tempo.

    
O texto a seguir almeja ser uma explicação simplificada do procedimento da transferência de embriões em equinos. A compreensão do funcionamento e dos procedimentos desta técnica é muito importante na hora da escolha da égua doadora e do garanhão, bem como na análise dos custos reais deste método de reprodução.

O que é a transferência de embrião (TE)?
TE é o método pelo qual transferimos um embrião de uma égua (doadora) para outra (receptora). Esta técnica é o resultado de muitos anos de pesquisa e estudos.

A técnica da TE consiste em colher o embrião da égua doadora, que é coberta ou inseminada o mais próximo possível da ovulação. Para que possamos detectar a ovulação, a égua doadora deve ser acompanhada diariamente desde o primeiro dia do cio até o momento da ovulação com o auxilio da ultra-sonografia.

Este período de acompanhamento diário da égua pode variar de 4 a 10 dias, dependendo da duração do cio, ou pode se prolongar um pouco mais se a égua necessitar de algum tipo de tratamento reprodutivo. O embrião é colhido no oitavo ou nono dia após a detecção da ovulação (por isso, a data da ovulação deve ser precisamente detectada). O embrião recuperado é então transferido para a égua receptora imediatamente após a colheita, ou refrigerado e transportado se a receptora não estiver no mesmo local da doadora e então transferido, ou congelado.

NOMENCLATURAS TÉCNICAS:
É muito importante que se conheça as nomenclaturas técnicas usadas em um procedimento de TE para que se entenda o que está ocorrendo com as éguas em regime de colheita:


Controle Folicular
É o acompanhamento do crescimento do folículo até a ovulação. É realizado diariamente durante o cio da égua por meio da palpação do ovário e ultra-sonografia trans-retal. Ele pode durar de 4 a 10 dias dependendo da égua. Este procedimento é o elemento "chave" da TE.
 
Doadora
Égua geralmente de alto valor genético, comercial ou sentimental que irá doar embriões (poderá ter filhos sem precisar gestar). Éguas impossibilitadas de gestar por problemas de saúde ou por estarem em campanha.

Receptora
Égua que irá receber embriões das éguas doadoras. Irá gestar, sem ser coberta ou inseminada, um filho que não é seu. A gestação é idêntica à de éguas normais, em média 345 dias (11 meses).

Colheita
Ato de colher o embrião do útero de uma égua através da infusão no útero de um líquido apropriado e sua posterior recuperação. 
 
Transferência Cirúrgica
Ato de inovular (colocar) um embrião no útero de uma égua receptora através de um ato cirúrgico.

Transferência Não-Cirúrgica
O mesmo citado acima só que sem a necessidade de se realizar uma cirurgia.

Índices de Transferência de Embrião
Abaixo estão citados os índices e resultados médios das transferências de embrião obtidos no mundo, para que possamos avaliar o custo-benefício da técnica para cada caso.

Recuperação Embrionária
É a porcentagem obtida pelo número de colheitas realizadas dividido pelo número de embriões obtidos. Este índice varia muito de acordo com a fertilidade da doadora e do sêmen utilizado. Por exemplo, em éguas jovens (até 8 anos de idade) a taxa de recuperação embrionária pode chegar aos 80%, enquanto em éguas idosas ou com problemas reprodutivos teremos em média 30% de recuperação, ou seja, em 10 colheitas iremos obter 3 embriões.  Normalmente esta média é obtida utilizando-se sêmen de fertilidade comprovada.
 
Taxa de Prenhez

É o número de embriões obtidos e transferidos dividido pelo número de receptoras prenhes. Este índice é válido para a TE não-cirúrgica, ou seja, a cada 10 embriões transferidos teremos uma média de 6 receptoras prenhes.

Taxa de Reabsorção
Indica o número de éguas prenhes que "perderam" o embrião até os 60 dias de gestação. Esta taxa é idêntica para éguas com prenhez natural e éguas receptoras de embrião.